Twitter Revista Staff   Facebook Revista Staff   Youtube Revista Staff
 

Saúde

   

Escrito por Revista Staff

Alcoolismo: Alto risco

O álcool é a droga mais antiga.

O álcool é a droga mais antiga, há provas arqueológicas do uso da bebida datadas de quase oito mil anos. Acredita-se que uma das mais antigas bebidas, o vinho, já era fabricado em regiões do Oriente Médio seis mil anos antes de Cristo.

Efeitos físicos do álcool

O álcool afeta o corpo de duas formas. Primeiro, essa substância entra em contato direto com o palato, a língua, o esôfago, o estômago e os intestinos; em todas essas partes do corpo age ao mesmo tempo, prejudicando o paladar e causando insensibilidade à dor.

O segundo grupo de efeitos ocorre depois que o álcool é absorvido pela corrente sanguínea através dos intestinos. O álcool não é “quebrado” pela digestão, como ocorre com as outras moléculas orgânicas. As moléculas do álcool penetram em todas as células do corpo e, por serem solúveis em água, concentram-se mais nos órgãos que contêm maior quantidade desse líquido.

O fígado pode metabolizar 25 gramas de álcool absoluto por hora, quantidade encontrada em uma garrafa de cerveja ou numa dose de uísque. O excesso do álcool que o fígado não consegue destruir é bombeado pelo coração para o corpo todo. O órgão mais sensível a essa substância é o cérebro, responsável pela coordenação dos movimentos voluntários e involuntários dos outros órgãos do corpo, permitindo assim a própria vida. O cérebro é responsável também por nossa vida psíquica (pensamentos, emoções, sensações, percepções, etc.).

Qualquer consumo de álcool produz intoxicação. Quanto maior for a quantidade ingerida, maiores serão os efeitos. O álcool deprime ou reduz o funcionamento das células e dos órgãos. Mas os efeitos do álcool variam de acordo com as circunstâncias em que é ingerido. A maioria das pessoas consegue metabolizar um drinque por hora. Isso significa que, bebendo nessa proporção, a pessoa não se embriaga, conservando suas habilidades normais. Doses maiores ou uma única dose num só gole sobrecarregam o fígado e escapam pela corrente sanguínea, causando efeitos imediatos no cérebro.

Intoxicação aguda

A continuidade da ingestão do álcool pelas pessoas embriagadas (overdose) produz efeitos crescentes no cérebro e atinge outras funções mais profundas. Depois de uma certa dose de álcool, a pessoa geralmente perde a consciência, adormece ou desmaia. Essa reação tem efeito protetor, impedindo o indivíduo de continuar a beber. Se a pessoa continua a tomar álcool sem perder a consciência, pode elevar a dose dessa droga no cérebro a um nível perigoso, capaz de provocar coma e morte. Como acontece com outras drogas, o álcool é mortal em doses excessivas, embora o grau de resistência varie de indivíduo para indivíduo. A morte por coma alcoólico é geralmente causada pela paralisação dos movimentos involuntários do coração e do diafragma devido à inibição que o álcool provoca nos centros nervosos responsáveis pelos movimentos cardíacos e respiratórios.

O comportamento dos indivíduos altamente embriagados pode ser semelhante ao dos intoxicados com outras drogas: violência física, atitudes inconvenientes, etc. Como o álcool aumenta a autoconfiança e diminui as habilidades, o usuário dessa droga torna-se em geral incapaz de julgar o que pode ou não pode fazer. Isso leva as pessoas a se julgarem competentes para desempenhar tarefas além de suas habilidades. É o que ocorre com muitos jovens que procuram criar coragem para dirigir carros com a ajuda de bebidas alcoólicas.

Essa é a causa de milhões de acidentes de trânsito no mundo todo e de milhares de mortes todos os anos.

Abuso crônico

A curto prazo, o corpo é capaz apenas de se ajustar aos efeitos do álcool. Depois de certo tempo, contudo, o organismo torna-se incapaz de manter seu equilíbrio. É nessa etapa que os efeitos do álcool se manifestam de forma mais intensa. Muitas partes do corpo tornam-se inflamadas ou intumescidas. Essas inflamações, indicadas na terminologia médica pelo sufixo “ite”, comumente ocorrem no coração (miocardite), no estômago (gastrite), no fígado (hepatite), no pâncreas (pancreatite) ou nos nervos (neurite).

É possível curar essas inflamações se o consumo do álcool for suprimido. Se a pessoa afetada por elas continua a beber certamente as agravará, provocando lesões irreversíveis em órgãos vitais.

São efeitos comuns do alcoolismo crônico: esterilidade, impotência, cirrose (deterioração das células do fígado causada por sobrecarga e excesso de toxinas).

Influências sócio culturais

A existência da indústria da bebida, com suas consequentes estratégias de marketing e publicidade, certamente induz as pessoas a fazer o uso do álcool, pelo menos em festas e ocasiões especiais. O álcool existe, é enaltecido pela publicidade e encontra-se à venda em qualquer lugar das cidades. Isso facilita a adoção dessa droga nos rituais sociais e cria grupos de pressão, principalmente entre os jovens. Mas o uso do álcool é também influenciado por fatores religiosos, morais, étnicos e familiares.

O consumo de álcool na adolescência está associado a um ritual de passagem, quase sempre atrelado a um uso abusivo e a publicidade influencia demais os jovens e é esse o público mais visado dos comerciais.

Alcoolismo

O alcoolismo é definido pelos médicos como “consumo compulsivo de bebidas alcoólicas em excesso”, que constitui uma patologia crônica, tanto comportamental quanto fisiológica. A compulsão pelo álcool, característica dos viciados, é anormal, e o vício afeta sua saúde física e mental. Assim como muitas outras doenças, o alcoolismo é causado por uma interação de fatores biológicos, patológicos, psicológicos, sociais e existenciais.

O consumo de bebidas alcoólicas é considerado um problema de saúde pública desde o século XIX. Os tratamentos conseguem reverter a dependência, mas devem ser levados a sério pelos pacientes. Depois que o dependente desenvolve sintomas graves de consumo e dependência, o tempo de sobrevida é estimado em 10 anos.

Tratamento

Na maioria dos casos, o tratamento do alcoolismo começa com a interrupção do ato de beber, de preferência, sob supervisão médica. Esse processo é conhecido como desintoxicação e normalmente demora 5 dias. A pessoa pode se internar numa clínica de reabilitação, se puder pagar esse tipo de tratamento. Os que não podem pagar uma clínica particular devem recorrer ao apoio de amigos e parentes e ao aconselhamento de um profissional (médico, psicólogo, assistente social, padre, etc.). Atualmente no Brasil os serviços médicos e assistenciais de grandes empresas incluem tratamento de alcoolismo. O recurso a instituições beneficentes como a Alcoólicos Anônimos pode ser muito eficaz.

O tratamento deve resolver problemas físicos e mentais ligados ao abuso do álcool. A terapia psicológica frequentemente inclui aconselhamento individual ou em grupo (sessões de psicoterapia). Quando isso é conveniente ou solicitado pelo alcoólatra, membros da família ou amigos podem comparecer a reuniões e serem estimulados a fornecer apoio moral e psicológico.

Geralmente o doente busca ajuda somente em estados extremos, dificilmente a pessoa em estágios iniciais enxerga-se como alcoólatra. Sem o desejo sincero de recuperação, e aí serve para qualquer transtorno, dificilmente o tratamento será promovido eficazmente.


Notícias relacionadas

Alerta sobre anfetaminas


A Anfetamina é uma droga sintética que causa considerável estimulação do cérebro.

Pneumonia: uma doença grave


Pneumonia é uma doença inflamatória no pulmão.

A Pele e o Sol


Curta o verão com muito mais proteção.

Reabilitação oral para a 3º idade.


Tratamento Odontológico para Pacientes da 3ª Idade: Um Investimento em Qualidade de Vida!!

Acabe de vez com o cansaço.


21 atitudes para equilibrar sua fonte de energia e deixar de lado aquele desânimo...

Dores que não podem ser menosprezadas.


As dores são um alerta do organismo sinalizando que algo não vai bem com ele. Muitas vezes preferimos pensar que vão passar...

Os primeiros sinais da depressão.


Dor de barriga, nas têmporas, nas costas: esses podem ser os primeiríssimos sinais de que alguém está prestes a mergulhar de cabeça em um quadro depressivo, alertam os médicos...

Dores nas costas.


É só a temperatura baixar que começam as primeiras alterações pelo corpo. Garganta raspando, nariz com coriza, pele ressecada e dores musculares por..

Controle da pressão


Todo ano a Organização Mundial da Saúde (OMS) elege um tema para ser discutido no Dia Mundial da Saúde (7 de abril). Em 2013, o tema escolhido foi relativo...

O papel da Hidroterapia na saúde


Muitos são os recursos fisioterápicos encontrados pelos pacientes, alguns cobertos pelos planos de saúde e outros não, por entenderem estes como terapias alternativas. As universidades tem implantado cada...

Desenvolvimento da Linguagem


Não há etapas rígidas para o início e o término do desenvolvimento da linguagem. Por volta de um ano surgem as primeiras palavras, geralmente mãmã e pápá, entre outras monossilábicas como ké, dá, tó, não, é...

Sal Grosso


"E você pensou que era só misticismo? É não, veja!"

Comentando a Andropausa.


É importante dizer que poucos são os homens que sabem da sua existência e que procuram auxilio médico para transitar por este período tão importante da vida masculina...

O que é a Medicina QUÂNTICA?


O Universo é composto por uma massa de radiações, formada de partículas atômicas, subatômicas e eletromagnéticas, as quais são animadas por um movimento contínuo, que é o responsável pelo processo de criação e de desintegração da matéria...


> Ver todas



Voltar
Twitter Revista Staff

Acontece   |   Beleza e Estética   |   Comportamento   |   Gastronomia   |   Nutrição   |   Moda   |   Política Saúde   |   Esporte   |   Turismo


Home   |   Apresentação   |   Editoriais   |   Comercial   |   Parceiros   |   Vídeos   |   Cobertura Vip   |   Contato


Copyright © 2017. Revista Staff. Todos os direitos reservados. Contato: (19) 3236-6661